WWOOF

(for english please see below)

A WWOOF é um programa de intercâmbio. Em troca de ajuda voluntária, as quintas WWOOF oferecem comida, alojamento e oportunidade para conhecer estilos de vida naturais.

Os voluntários têm a oportunidade de um contacto em primeira mão com as diversas técnicas de agricultura biológica, permacultura, construção ecológica e outras técnicas ambientalmente saudáveis.

A WWOOF põe em contacto as pessoas que querem ser voluntárias (WWOOFers) em quintas de agricultura biológica que estão à procura da ajuda de voluntários.

 

HISTÓRIA

Inicialmente designada por Working Weekends on Organic Farms (Fins-de-semana de Trabalho em Quintas de Agricultura Biológica), a WWOOF teve início no Outono de 1971, em Inglaterra, quando Sue Coppard, uma secretária de Londres, tomou consciência da necessidade de proporcionar acesso ao campo a pessoas como ela que, de outro modo, não tinham os meios ou a oportunidade de o fazer e que queriam apoiar a agricultura biológica. A sua ideia teve a sua concretização numa experiência-piloto durante um fim-de-semana de trabalho que organizou para quatro pessoas na quinta biodinâmica do Emerson College, no Sussex, através de um contacto na Soil Association (Associação Inglesa de Agricultura Biológica). Esse fim-de-semana foi um enorme sucesso e, muito rapidamente, ganhou um movimento imparável. Em pouco tempo surgiram mais agricultores dedicados à agricultura biológica e pequenos proprietários interessados em aceitar pessoas que queriam trabalhar como voluntários (WWOOFers). Parecia haver muitas pessoas à espera de uma oportunidade para trabalhar no campo aos fins-de-semana. Donos de quintas e voluntários fizeram novos amigos e desfrutaram da experiência de trabalhar em comum numa troca de ajuda e de conhecimentos.

DESENVOLVIMENTO

A WWOOF UK desenvolveu-se muito rapidamente e a associação adaptou os seus procedimentos para satisfazer as necessidades dos voluntários e dos donos das quintas. Trata-se de uma organização flexível e adaptável que continua a tirar partido do contributo entusiástico dos seus associados, incentivando as suas ofertas de ajuda e as suas sugestões. Todas as sugestões são ouvidas e discutidas e muitas delas são implemenadas. O aperfeiçoamento constante constitui, sem dúvida, o etos da WWOOF.

Existem actualmente associações WWOOF autónomas em muitos países, que têm as suas formas próprias de se organizar mas que, basicamente, cobram quotas idênticas aos associados, publicam uma lista das quintas aderentes e boletins informativos. As quintas aderentes em países que não dispõem de grupos nacionais estão listadas na WWOOF Independents que é administrada conjuntamente com a WWOOF UK. A lista da WWOOF Independents está disponível na internet e em formato papel. Na verdade, o âmbito geográfico da associação é de tal modo global que é provável que o Sol nunca se ponha na WWOOF.

Em 2000 realizou-se a primeira conferência Internacional da WWOOF, com representantes de 15 países. Foi decidida a constituição da Associação Internacional WWOOF para procurar estabelecer orientações sobre o que significa ser voluntário (WWOOFer), ser uma quinta WWOOF e fazer WWOOF. Incentivar e apoiar as associações WWOOF que estão a surgir nos países em desenvolvimento também é um dos seus objetivos.

FUTURO

A WWOOF actualmente também é reconhecida pelo seu importante contributo a dar no universo mais amplo do movimento biológico, já que proporciona a cada vez mais pessoas o contacto directo com os produtores de agricultura biológica, quer a nível individual, quer através de outras organizações que estão a tentar regular as políticas e a procura dos consumidores.

A WWOOF continua a crescer e “fazer wwoof” já teve direito a entrar nas várias línguas.

A WWOOF demonstra o que é que pode ser alcançado através da cooperação genuinamente democrática e tem uma quota suficientemente baixa para garantir a inclusão de qualquer pessoa que pretenda aderir. Os WWOOFers já deram milhares de horas de ajuda aos produtores de agricultura biológica e os donos das quintas WWOOF deram o seu contributo em tempo e experiência aos WWOOFers e abriram a porta a uma forma de viver a vida que mudou substancialmente a vida de muitas pessoas.

WWOOF is an exchange program. In return for volunteer help, WWOOF hosts offer food, accommodation and opportunities to learn about organic lifestyles.

Volunteers will have the opportunity of getting first hand experiences in diverse philosophies of organic farming, permaculture, ecological building and other environment friendly techniques.

WWOOF organisations link people who want to volunteer on organic farms or smallholdings with people who are looking for volunteer help.

HOW WWOOF GOT STARTED

Formally called Working Weekends on Organic Farms, WWOOF came into being in Autumn 1971, in England, when a London secretary, Sue Coppard, recognised the need to provide access to the countryside for people like herself who did not otherwise have the means or the opportunity, and who were keen to support the organic movement. Her idea started with a trial working weekend, which she arranged for four people at the bio-dynamic farm at Emerson College in Sussex through a contact in the Soil Association. The weekend was a great success and things gathered momentum very quickly. Soon many more organic farmers and smallholders were willing to take people keen to work on this basis (WWOOFers). It seemed that many people were just desperate to get into the countryside. Hosts and workers made new friends and enjoyed the experience of working in common in an exchange of assistance and knowledge.

DEVELOPMENT

When the demand for longer periods occurred, the name was changed to WILLING WORKERS ON ORGANIC FARMS. Since then, in recognition of the world wide nature of the organisation and the confusion caused by the word “work” with migrant workers which WWOOFers are most definitely not, WWOOF now stands for WORLD WIDE OPPORTUNITIES on ORGANIC FARMS.

WWOOF UK developed quickly and the organisation adapted its systems to meet the needs of WWOOFers and hosts. It was flexible and adaptable and continues to benefit greatly from enthusiastic grassroots input and feedback and offers of help from members are actively encouraged. All suggestions are aired and discussed and many implemented. WWOOF’s ethos is definitely one of constant improvement.

Now there are autonomous WWOOF organisations in many countries who all have their own individual ways of organising themselves but basically have similar membership charges, publish a host list and newsletters. Hosts in countries without a national group are listed by WWOOF Independents which is run in conjunction with WWOOF UK. In fact the sun probably never sets on WWOOF.

In 2000 the first International WWOOF conference was held with representatives from 15 countries. It was agreed to form the International WWOOF Association to try and bring about guidelines as to what is meant by being a WWOOFer, a WWOOF host and to go WWOOFing. Encouragement and support to emerging WWOOF organisations in other countries is also an objective.

FUTURE

WWOOF is also now recognised as having an important contribution to make in the wider organic world as it brings more and more people into direct contact with organic growers both independently and through other organisations who are trying to influence policy and consumer demand.

WWOOF is still growing and ‘to wwoof’ has entered languages in its own right.

WWOOF demonstrates just what can be achieved through genuine democratic co-operation and a subscription low enough to ensure inclusion of anyone who wants to join. WWOOFers have given 1000’s of hours of help to organic growers and WWOOF hosts have given their time and experience to WWOOFers and opened the door to a way of living that has fundamentally changed people’s lives.

Informação copiada na íntegra do site oficial da WWOOF Portugal – www.wwoof.pt

This information was copied in its integrity from the official site of WWOOF Portugal – www.wwoof.pt.

Para mais informações ver também: | For more information see also:

www.wwoof.org

www.wwoofinternational.org

www.wwoofindependents.org

Blog at WordPress.com.